27.2.10

Heroina

O Batman tem capa. O Super-homem tem capa. A Catwoman tem capa. Até os estudantes têm capa. Não percebo porque é que os bombeiros não podem ter uma capa. Nós somos grandes. Temos prái dois metros cada um... Salvamos vidas. Temos por lema "Vida por Vida".
E agora que chego a casa sabendo que salvei literalmente uma vida, apenas sinto o vazio nas costas porque sei que ali pertence uma capa de super-herói, com tudo a que tenho direito. Até bainha bordadinha a ouro que aqui os meus salvamentos são de valor! Os familiares do senhor podem nunca me vir a conhecer, podem não saber que sou a sua heroína, mas eu sei que o salvei. E isso nunca se esquece.

E também me sinto bem por ter trabalhado com um enfermeiro lindo, lindo, epah mas que coisa linda, mas isso dava matéria (muito boa matéria) para outro post. Mas não me apetece.

25.2.10

Casamentos

Epah pronto, sem pachorra. Muito menos quando é de alguém mais novo que eu, que vi mais pequeno que eu e com quem cheguei a passar férias do Verão e tudo.
Nada contra, casem-se para aí novos que o país precisa de casalinhos-de-fresco com vontade de procriar.
Epah, mas a boda... a boda.. é algo dispensável. Isso é coisa para os pais irem e representarem a família. Pelo menos até o rapaz dizer à minha mãe "ah, não se esqueça, faço questão que a Quase Eu vá..."
Merda.

Conversa (estúpida, estúpida, estúpida) de um adolescente (16anos)

Ele: Não gosto nada de gordos. Gozo bué com eles. São buéda grandes e redondos.
Eu: Parvo de merda...
Ele: E também não gosto de bebés.
Eu: De bebés??? Como é que isso é possível?!
Ele: Deixei cair as minhas primas quando eram bebés... de cabeça...

22.2.10

Já me tinham dito que os tripeiros eram simpáticos

Que já me tinham dito que o pessoal do Porto era simpático? Já. Mas ainda ninguém me tinha dito que eram coisa-mái-lida que tudo movem para me ajudar a encontrar um simples tecto para eu passar umas noites por mês.
E logo o dono de um café (mesmo ao lado da faculdade, que serve umas tostas mistas de morrer por mais e uns pratos quaisquer que devem ser bons porque leva montes de batatas-fritas) até a própria casa me queria ceder. Vejam bem que ele vai só falar com a sua cachopa para me dar um jeito, uma vez que "isto anda mau para arranjar casa a esta altura do campeonato".
Se não me ligar até as 22horas vou acabar por usufruir de uma pensãozita qualquer, desde que me leve pães-de-leite ao quarto lá prás 9 da manhã.

21.2.10

Coisas-só-comigo

C.A.D.E - C.D.Fátima
Era de espancar o meu guarda-redes. Pronto, não se devia dizer. Mas era. O gajo é passarinho. Mas pronto, já lá diz o outro "o futebol é isto" e se o sôr árbitro (apenas) apresenta cartão amarelo, é de respeitar e pronto.
A audiência ficou revoltada, e eu nem percebo bem porquê, uma vez que o árbito acabou por favorecê-los porque se o meu guarda-redes fosse expulso, a troca era de 1,55m para 1,70m (defende menos, mas sempre impõe mais respeito). Enfim.
O público quase a saltar da bancada para atacar o árbitro, coisa de um exertozinho de porrada que eles não eram senhores só para uma palmadinha de amor. Lá cornos o árbitro já tinha, pelo menos disseram de boca cheia, que eu cá não vi nada.
E eu, que sempre fiquei bem encolhidinha no meu canto (não me fosse calhar também alguma coisa) esperava ir embora o mais rapido possível.
Mas eu sabia que o Karma não ia ser meu amiguinho.
O meu momento chegou.
Um miúdo dos meus chamou a outro de "filho da puta". Quando o outro me entra pela carrinha a dentro para bater no meu, armei-me em fisio-possessiva e segui-o em pleno voo, para os separar. Cabra da cachopada tira-me anos de vida e algumas articulações saudáveis.
Mas pior foi ter de acalmar a cabrazona da mãe (que lá pensou que eu era a mãe do outro) e que se queria haver comigo porque "coitado do filho", é um bisonte do crlh mas para se defender precisa da mãe. E porque não é ela a puta, sou eu porque o fiz!
O que me vale são os meus kilos de paciência que me fizeram encher o peito (ao invés de a espancar ali, direitinho) e dizer à senhora (cof) com a voz mais meiguinha que consegui, que o miúdo não é meu filho. Portanto ela se quer descer ao nível da cachopada, que vá ter com a senhora que efectivamente o concepcionou porque eu tou fora de aventuras entre mães-ofendidas-por-miúdos-cheios-de-testosterona-que-não-sabem-quando-se-devem-calar.
É que não tenho idade para estas merdas, mas elas procuram-me. Irra!

20.2.10

Tenho de voltar a escrever sobre este assunto...

O meu pai, até numa de ser simpático (não sei bem...) insiste em fazer o almoço aos sábados.
Tento fugir de cena. Ponto. Não consigo. Ponto. Esforço-me. Ponto. Mas é que não consigo mesmo, mesmo, mesmo. Ponto.
Os homens na cozinha são o desespero total das mulheres.
Sujam o dobro dos tachos que precisam de sujar; pingam o chão da cozinha por aí além; andam feitos passarinhos à procura do testo ou do alho ou do azeite e apregoam em voz alta que estão à procura disso até alguém lho pôr debaixo dos olhos; fazem doses consideradas ideais para um almoço com cerca de 50 convidados.
Assim que o comer está pronto, sentam-se na mesa com orgulho à espera que seja tudo servido com rigor (e o resto a mulher que limpe, esfregue e coiso e tal). Comigo não dá. Dá-se-me uma coisa má e fico logo isaurida da vida!

16.2.10

"Olha qui coisa máis linda, máis cheia dxi graça..."

As Havaianas chegaram este mês com a nova Soul Collection. Nas versões ténis, bailarina, bota e alpercata. Chegam uns modelos casuais, com cores tão carasterísticas da marca, que vêem encantar homens e mulheres (e eu já conto para as estatísticas...) com o seu conforto habitual.
E como agora vou entrar novamente no mundo estudantil, eu só tenho a dizer que com uma destas ia para todo o lado:

(versão azul bebé também muito cativante)

15.2.10

Só por causa disso...


... agora também vou pôr o meu piercing azul-safira e vou "jogar ao Carnaval"!

Ora bem...

Aos poucos estou a conseguir tudo aquilo que quero.
Hoje é o dia. Entrei num Mestrado. Consegui. Tenho a prova do meu esforço.
E, coincidências do caraças, aqui a je entrou na segunda opção, no entanto era a que mais queria. Mestrado em Fisioterapia no Desporto.
Agora é que vai ser...

14.2.10

5
4
3
2
...

O meu momento está a chegar

Prenda do dias dos namorados

Coisa mái-linda... Um dos Hp mini 110, prático, lindo como-só-ele, que eu cá só gosto de me oferecer coisas lindas, lindas e assim: práticas, que para complicado basta-me o resto. 3 cm de largurinha. 1Kilinho. A melhor Masturbação de Ego que poderia receber no dia dos namorados.

(pontos brancos não incluídos)

13.2.10

Não sei bem o que mais festejar....

Se o dia dos namorados, se o Carnaval!
(pelo menos para o dia dos namorados tenho o piercing do amor)

9.2.10

Semana das profissões na escola onde já muito fui feliz

Um dia numa aula de Inglês uma professora passou-me uma f*** em três actos.
Já não me lembro quando, como, nem sequer porquê. Mas lembro-me que me passou um senhor-raspanete. E sem razão. E que me caiu muito mal porque (e isso lembro-me quase perfeitamente) a culpa era do meu colega de carteira (que eu muito estimava) que era um falador nato e um copiador-dos-de-mérito. E eu fiquei muito triste com a senhora.
Lembro-me de ter pensado cá para mim "um dia quando for grande...". Já nem sei como acabava a frase. Mas devia ser algo como "... essa vai-te sair cara minha senhora-de-características-rameiras" ou "... vou fazer-te ver que estavas errada" ou (o mais provável): "quando for grande vou continuara lembrar-me dessa merda e nunca mais te direi Olá".

A semana passada fui convidada para ir à minha escola apresentar aos miúdos o mundo da fisioterapia, na semana das profissões.
Hoje lá fui eu, em versão "QuaseEu com mais 8anos, profissional de sucesso, quase a parecer professora". Assim que entro para o auditório e dou de caras com a senhora, lembrei-me da história anterior. Esbocei um sorriso daqueles a conter a gargalhada e dei o meu melhor na apresentação. Ah, disse um Olá sorridente.
Há coisas que nunca se esquecem.

Almocinho-do-bom

Amanhã há almoço cá em casa para o serviço de Reabilitação em peso.
Queixadas no forno.
Mas queixadas-das-bouas, bem regadas com vinho-do-bom e seguidas com uma sobremesa-das-melhores-de-sempre.
Só porque sim.
Digam lá se não sou uma colega de trabalho decente.

8.2.10

Já valeu a pena ver os Ídolos

Ainda nem acabou e só pela gala de ontem já valeu a pena ver.

Ídolos 1 - Pedro Abrunhosa 0
Pois, é. Esqueceram-se que o homem não tira os óculos e nem foram decentes para o avisar de que o palco tem umas pequenas "ausências de chão"*. O homem cai. E o Manzarra sai numa tentativa de socorro à Toy-story "pró infinito e mais além...."
* - descubram que as inventou e mandem-lhe um abraço meu!!


Ídolos 3 - Pedro Abrunhosa 0
O Filipe arrasou. E vai um.
A Diana arrasou ainda mais. E vão dois.
O Pedro Abrunhosa acompanhava com um palrar mal falado.

Mas o melhor de ontem começou pelo dueto. O dueto a sério (não os duetos com o Abrunhosa). O melhor dos melhores. Fantástico. Um dueto perfeito! Foi bom com bolachas no sofá. Até era bom com espinafres (e sabe Deus como os odeio!). Para mim ganhavam os dois. Mas não podendo, é a Diana, ora pois, que eu cá só escolho estrelas...

4.2.10

Se o meu Dom Pedro fosse gente

Ui. Ai se fosse. Tinha muitas e boas histórias para contar. Ai se tinha!
E agora depois das desventuras mais recentes, ele era gajo para andar por aí a pagar copos à malta.
Depois de me avaliarem os estragos do meu Dom Pedro em cerca de 398€, o mecânico onde o perito foi, faz questão (sublinhe-se "faz questão") de me reparar o carro sem quaisquer encargos.
Depois de descobrir que uma turbina (a tal questão do assobio) custa cerca de 250€ fora o filtro do ar estar todo parece alcatrão, o dono do stand onde comprei o carro fez questão (sublinhe-se novamente, por favor) de me pagar o arranjo do carro, mesmo 6 meses fora da garantia.

Karma, karma, é que gostas do meu Dom Pedro...