26.2.14

Devo andar mesmo mesmo muito intolerante...

... mas o que é que as pessoas ganham em saber se estou grávida de uma menina ou menino, qual o nome, onde vai nascer?
A sério que acho estranho quando pessoas, desconhecidas!, me abordam para saber qual o sexo e o nome do bebé. Acho estranho porque eu era incapaz de perguntar isso a pessoas que não conheço e muito menos quando nem sequer é para ter aquele tipo de conversa de encher-chouriços e quando a intenção não é dar continuidade à conversa. 

No dentista:
Ela - Então o que é que vai ser? Menino ou menina?
Eu - Menina.
Ela - E como se vai chamar? 
Eu - E.
Ela - Então e onde vai nascer?
Eu - (com vontade de responder "sabe Deus onde vou chegar primeiro!") Em Coimbra.
A conversa termina por aqui, manda-me abrir a boca e começa a falar desenfreadamente com a auxiliar sobre a sua Carminho e como escolheu o nome e como isso irrita a sua miúda porque na hora de lhe chamar a atenção, a professora chama-a de Maria do Carmo, quando ela é mesmo mesmo "CARMINHO!" de nome. And so on.

Hoje, num telefonema com a minha agente da bimby e numa tentativa de me livrar de mais uma demonstração e curso de cozinha disse que estava à espera de bebé, em breve (espero eu!).
Ela - Ah, pois não é uma boa altura não. Então e vai ter uma menina ou menino?
Eu - Menina.
Ela - E já tem nome?
Eu - Já. (tipo numa de cortar logo ali a cusquice).
Ela - E como se vai chamar
Eu - (quase a responder "se quisesse dizer já lhe tinha dito há segundos") E.
Ela - Muito bem. Então boa sorte. Marcamos para outra data.
-.-´ Sério? O que é que ganhaste com isso?

Na semana passada, numa demonstração de um aspirador e, mais uma vez, numa tentativa de me livrar destes agentes chatos (compreendo que o tenham de ser, porque têm que tentar vender qualquer coisa para ganhar o seu), mandei mais uma vez a cartada do "ah e tal vou ser mãe, não me posso pôr em despesas agora, sabe como é...") vem a mesma rodada de conversa para terminar com um "Então fique com o meu contacto e falamos mais tarde, sim?"...
Quase quase me apetecia responder "Então e se se chamasse O. ou J. ou P., não me davas o contacto?"
Para a próxima invento um nome qualquer tipo Saulina ou Gervásia ou Eclástica a ver qual a reação. 

Pronto irrita-me. Devo andar mesmo intolerante com estas coisas (e com o facto da cachopa não se decidir a sair!) mas não percebo o que é que as pessoas têm a haver com isso. Se fosse amiga, colega ou familiar, ou até uma pessoa conhecida, compreendia, afinal de contas, podem vir a ver a miúda mais tarde. Agora desconhecidos, é estranho. Ou sou eu que não percebo estas coisas de mães-to-be.

Sem comentários: